segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Compasso de espera


Há pessoas que simplesmente não se decidem.
Não, não são pessoas indecisas. Indecisa sou eu, que também sou bipolar e ora quero ora não quero, ora amo ora odeio, ora choro ora rio e sobretudo quando me dizem "vais ou ficas?" é como dar-me uma machadada na cabeça e dou por mim a fazer listas de prós e contras até ao minuto final...mas decido.
Eu falo de pessoas que são mesmo incapazes de tomar uma decisão. De dizer sem sombra de dúvida e assumir consigo próprias o compromisso de, independentemente das consequências da sua escolha, levarem-na até ao fim.
Isso faz-me bastante confusão. Eu sou insatisfeita e sou ambiciosa. Eu quero sempre um bocadinho mais e melhor, e chegar mais longe e testar-me a mim mesma e ao que me rodeia. Mas eu consigo escolher e pronto.
Não fico no eterno limbo de pensar: "Escolho x...mas e se entretanto encontro melhor?"; "Não posso escolher y porque estou automaticamente a pôr de lado a,b,c".
E pelos vistos esse tipo de comportamento é cada vez mais recorrente. Em conversa de amigos, que já não vão para novos e já levam uns aninhos de ramboia e regabofe, percebo que levaram uma vida de salta-pocinhas, de constante descontentamento e insatisfação que não lhes permite viver o presente na sua totalidade pois as poucas escolhas que fazem prendem-se sempre por um lado com os fantasmas do passado, e por outro com a ansiedade do que está para vir e lhes possa escapar por terem feito antes uma "má" escolha.
E depois o que é que acontece?? Acontece que olham à volta e vêm que têm muito pouco. Vêm que "quem tudo quer, tudo perde" e as grandes coisas da vida acabam por lhes passar ao lado, sem tempo para esperar que eles se decidam ou que finalmente escolham o quer que seja. Vêm que vivem num ciclo vicioso de "não escolhas", à espera que os outros escolham por eles, que os agarrem ou que os deixem, que os amem ou os odeiem, culpando, em última instância, o destino, esse ranhoso, que não os deixa ser felizes e teima em castiga-los com essa insatisfação, que os inunda de um vazio que não consegue ser preenchido com nada nem ninguém.

4 comentários:

kel disse...

"Quem muito escolhe, pouco acerta", é um ditado que me lembro de ouvir desde miúda e que faz muito sentido. A maioria das pessoas perde tanto tempo à procura de pedras preciosas, que se esquece de apreciar cada pedra da calçada, cada concha à beira-mar... Todas as pequenas coisas que a vida nos vai dando e que, essas sim, são importantes. Essas sim, todas somadas, fazem uma vida plena, feliz e que vale a pena ser vivida.

A mim também me fazem confusão as pessoas incapazes de tomar decisões. Acho que acima de tudo não se conhecem a elas próprias, não estão bem consigo e por isso, não podem estar bem com os outros e com as escolhas futuras.

Beijoca grande*

Neferet disse...

Ritinha,voltei a aparecer :)
Como sabes faço as minhas escolhas e atiro-me para a frente com alguns medos,mas atiro-me...
E não podia ser mais feliz!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! :)

IandU disse...

Por momentos tive a sensação que estavas a descrever-me enquanto te descrevias!
"Eu sou insatisfeito e sou ambicioso (por natureza)."

Pips disse...

kel: disseste uma grande verdade. Normalmente estas pessoas não estão mesmo bem consigo próprias e daí tanto rodopio em torno do nada!

Neferet: até que enfim, bolas! Ah pois é..decisões firmes e hirtas doínício ao fim! E que feliz que fico por saber que não podiam ter sido decisões e escolhas mais correctas! Até sonho com elas! Ehehe...croma!
Beijão amiga!

iandu: insatisfação e ambição são duas características essenciais para chegar loooonge!!!