sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Revelações

Há dias assim, em que tudo surge claro como água.
Água potável. Sem nada que a turve, insípida, inodora e incolor. Sem margem para dúvidas e para suposições. Sem espaço para desculpas e para análises detalhadas. Sem tempo para "o que tiver de ser será", ou ainda "deixa andar e logo se vê".
Dias em que se percebe o que é realmente importante. Em que se dá valor a quem realmente o tem. Por ser como é, fazer o que faz, lutar como luta, esperar como espera. Em que se respira fundo e se tem a certeza absoluta de que o pior já passou.
Dias em que ainda antes de acordar já se sonha com o que virá a seguir, e nas horas que se seguem se percebe que aquilo que achavamos ser "pendente" ou "por resolver", há muito que está mais do que resolvido e encerrado...e só ainda não tinhamos dado conta de que era capítulo encerrado porque simplesmente já nem pensamos nele.
Dias em que o silêncio é ainda mais precioso do que já o é, naturalmente, para mim. Porque faz com que os pensamentos soem mais alto, mais firmes, mais seguros.
Dias em que o calor do meu quarto vai embora, e fica uma brisa suave com sabor a fim de Verão, que corre pela casa, faz abanar os cortinados brancos e me acorda com um arrepio.
Dias em que se tem perfeita noção de como o tempo é precioso. Mais do que pensar no que ficou para trás, perceber o quanto é urgente ter consciência do que se faz com aquele que está para vir, e que é tão incerto.
De como olho para mim e percebo que estou tão crescida! Não me sinto mais velha....sinto-me crescida. E também isso é tão revelador.

1 comentário:

Alegria! disse...

É bom crescer, ao nosso ritmo, sem pressas mas, também, sem demoras... Porque o tempo sempre corre veloz e não podemos desperdiçar nenhuma dessas gotas de água cristalina ou do precioso tempo que temos ao nosso dispor... Porque o tempo urge e é bom estar vivo!

Beijo no coração*