domingo, 7 de fevereiro de 2010

Nostalgia


É sempre assim, já devia estar habituada. Mas não estou.
Esta terra tem este efeito em mim. Esta casa, este cheiro. Estas paredes, cada uma destas divisões. As pessoas, os carros, as matrículas. As ruas. Os cafés. O cemitério. As amigas. A falta delas. Os encontros pressentidos e não programados. As fotografias, as músicas. As toalhas de banho. O cheiro. As histórias, as expressões repetidas, as lembranças. O silêncio. O não querer estar aqui. O aperto no peito. O que tenho vontade de fazer mas depois não faço. Os almoços no mesmo restaurante, no mesmo dia, na mesma mesa, como se 2 anos e 5 meses precisos hoje, não tivessem passado. O dia 7. As saudades. O que ficou por dizer. O que fica, todos os dias, o que falta, a falta que me faz. O ter sono mas custar adormecer. O quarto frio. O que ficou para trás. O que não volta e ainda bem... o que não volta e ainda mal. O lanche só com os meus irmãos, crescidos. O que eu não vejo, não sei, não toco, mas sinto. O roupão dela que eu visto, sempre. O sorriso. Uma vida. Um grande amor. Um capítulo mais do que fechado. Outro que se abre. O alívio, o conforto, a paz, a tranquilidade, a serenidade, o equilibrio, o preenchimento, o calor no coração, o frio na barriga. As mensagens que chovem. O meu sorriso. O reconstruir do nada, do inesperado, muito abaixo do ground zero, e sem esforço, sem presunção. A saudade outra vez, e o cheiro. Não é só triste, também é bom, é gratidão pelo que vivi, pelo que pude viver, pelo que me deram, pelo que dei, por ser quem sou, pelo que tenho. É olhar no espelho e ver mais do que o reflexo. É gostar do que se vê... por dentro. Render ao cansaço e dormir.

5 comentários:

M de mim disse...

Num acaso encontrei este lugar...embora em acasos não acredite!
Entendo cada palavra tua, mais do que gostaria de entender. Entendo o que é renascer das cinzas depois de termos encontrado o mais escuro lugar da nossa alma. Depois de termos descoberto que viviamos num sonho...que não existia.Depois de termos baixado os braços, rendidas à dor,à perda, à saudade... Sei o que é renascer! A sensação de liberdade! E é tão bom! É tão bom olharmos no espelho e vermos que somos mais fortes, mais extraordinárias do que algum dia imaginamos poder ser. Que estamos em paz, que estamos felizes, e acima de tudo resolvemos e fizemos as pazes com o nosso passado. Que está lá atras e que o que vem pela frente será com certeza muito bom. Porque merecemos!!!
Não conheço a dor de uma perda "física" de alguém que se ama, que é nossa desde que nascemos e que Deus simplesmente decidiu "arrancar" da nossa vida.Felizmente não conheço!
Mas conheço a outra dor de falas...
Apenas te posso dizer :" É tempo de viver!" ;)

Anónimo disse...

É fantástica a tua capacidade de passar de um texto cómico e que me fez rir imenso, mesmo não conhecendo o "Pivias", para algo tão profundo e sentido. Adoro ler-te! Continua por favor.
Bjos

Pips disse...

"M de mim": a pergunta pode ser estranha, mas.. nós conhecemo-nos?

Anónimo: muito obrigada pelo comentário! Vou continuar sim..! Haja inspiração! :))

M de mim disse...

Pips resposta vai-te parecer ainda mais estranha...conhecemo-nos sim!

Pips disse...

M de mim... fiquei com essa forte sensação..não sei bem porquê..ou se calhar até sei.. De qualquer maneira, se quiseres dizer quem és, sem ser aqui, manda-me mail para eueomeumbigo@gmail.com.
Fico à espera...mesmo!
Beijinhos!