terça-feira, 24 de junho de 2008

It takes two to tango

Quando Um não quer, Dois não discutem...nem fazem uma serie de disparates dos quais mais tarde se arrependem.
"Tenho culpa que ele se tenha apaixonado por mim?"- Não...culpa não tens. Mas tens parte da responsabilidade. Todos temos! Quer queiramos quer não. E isto de sacudir a poeira dos ombros e de achar que não temos nada a haver com o que vai no coração alheio porque até achamos que deixamos tudo bem claro com esta ou outra afirmação, é deitar a mesma poeira paa debaixo do tapete, ou pior...soprar mesmo em direcção dos olhos de quem está bem à nossa frente!
Quando Um não quer, Dois não trocam mensagens, nem tomam cafés juntos, não vão à praia, nem ao cinema, nem a concertos, nem jantar fora, nem fazem passeios idílicos, nem passam horas a conversar no carro ou seja onde for.
Sim, somos maravilhosas, dignas e fantásticas, e difícil mesmo é não se apaixonarem (já cá faltava uma boa dose de ego lá nos píncaros a tocar os Pirinéus!!), mas não esquecer nunca que só fazem de nós aquilo que nós deixamos, e só fazemos com os outros aquilo que nós queremos!

5 comentários:

Inês disse...

A verdade é que não nos podemos culpar a nós dos mal-entendidos dos outros... Também já estivemos do outro lado e a culpa foi nossa!

Fifs disse...

OUCH!Com esta teoria não poderiam surgir amizades certo? Todas as amizades que tenho foram construídas assim, cafés, cinemas e alguns jantares e mensagens a falar de tudo e de nada. Dez anos volvidos continuo com os mesmos amigos muitas das vezes fazendo os mesmos programas. O problema é que quando de facto ou nós ou eles confundimos as coisas... Aí é que se torna complicado porque não queres abrir mão de uma relação que gostas só porque a outra pessoa não conseguiu colorir dentro dos limites... Acredito piamente que um homem e uma mulher podem ter uma verdadeira amizade, amizade essa que inclui jantares concertos e altas horas na conversa...

Pips disse...

Não quando tu sabes que a outra parte quer mais de ti do que aquilo que estás disposta a dar...

Osga disse...

Isto é simples.
Depende da pré disposição do outro.Quem tiver a porta errada do coração aberta dá nisto, a linha de separação amizade/amor por vezes é muito frágil.A inês fala de mal-entendidos mas por vezes os sinais não são de fácil leitura, por vezes creio ser mais fácil a descodificação da equação universal que rege tudo do que saber se uma mulher nutre uma grande amizade ou se quer algo mais mas não tem "balls" para isso.
Concordo com o que a fifs diz no final no entanto o reparo da pips parece mais de encontro à minha visão ou maneira de ser.

bjs :*

kel disse...

Ora aqui está um assunto delicado porém, pertinente. Sem dúvida "takes two to tango", embora eu seja daquelas pessoas que falam com toda a gente e mantém amizades com todos (ou quase todos) os ex namorados. Quando me pisam os calos (no sentido figurado da questão, claro) corto definitivamente relações mas se isso não acontecer posso continuar amiga de qq pessoa, independentemente do seu actual ou ex estatuto, durante anos ou até, a vida inteira!

Contudo, sei por experiência que a pips tem alguma razão quando diz "Não quando tu sabes que a outra parte quer mais de ti do que aquilo que estás disposta a dar..." E aqui não há volta a dar. É verdade que as amizades surgem de tudo aquilo que referes fifs e que dai podem advir sentimentos verdadeiros e desinteressados. Mas quando a outra pessoa tem "segundas intenções", às quais sabemos não corresponder, então manter as saídas, o cinema e afins, só vai alimentar as ilusões dessa alminha.

Não há atitudes mais ou menos correctas, há apenas aquilo que estamos dispostos a aceitar, dar, aturar... ou não! Mas temos que agir em função disso, sem minimizar ou ignorar os sentimentos dos outros. Corremos o risco de ser mal interpretados!

Beijossssssss :)