sábado, 28 de novembro de 2009

Eu resolvo; não esqueço


A propósito do lançamento do último livro de Margarida Rebelo Pinto, autora cuja obra desconheço, cuja figura não me desperta especial simpatia, mas de quem uma ou duas vezes ouvi assim umas coisas (de sua autoria ou não, não me interessa) que me ficam no ouvido e na ideia, dei por mim a pensar: "Será, de facto, possível esquecer um grande amor?"
Numa resposta impulsiva acho que 99% de nós dirá que não.
Eu digo que não.
Mas também digo, e já de forma reflectida e ponderada, que é possível esquecer parte desse amor.
Não se apagam as pessoas do pensamento, não se eliminam as memórias do passado. Nós somos no presente aquilo que fomos num pretérito, tenha sido ele perfeito ou imperfeito. Somos uma construção de memórias genéticas, acumuladas, sobrepostas, um efeito de camadas onde as boas vão sobrepondo as menos boas e lhes retiram força e poder. Não sofremos nenhuma amnésia dos afectos, do companheirismo, da felicidade que um grande amor nos deu. Isso guarda-se, para sempre. Para quê esquecer? Disparate...
Mas acredito que, depois de resolvido um grande amor, seja possível não lembrar do que correu mal. Seja possível viver sem recordar datas em que fizeram x ou y que tanto magoou. Seja possível voltar sozinho ou com um novo amor, a um lugar onde se foi muito feliz com um grande amor, sem medo de ser assombrado pelo seu "fantasma". Seja possível ouvir aquela canção, que era dos dois, e não lembrar de todas as vezes que a ouvimos com lágrimas nos olhos por já não estarmos juntos. Seja possível vê-lo passar com outro alguém no carro, saber que frequenta a sua casa, que faz com ela o mesmo que fazia connosco, e o estômago não doer nem andar às voltas. Acredito que seja possível esquecer aquilo que nos fazia sofrer nesse grande amor, e mais uma vez "guardar só, o que é bom de guardar..." (o que eu gosto deste verso!).
Acredito porque também já me esqueci de algumas tabuadas, as mais difíceis, mas no geral sei quase todas e ainda bem.
Acredito porque não me lembro das letras de algumas músicas que adoro desde sempre, mas continuo a adorá-las tanto como antes.
Acredito porque dentro da desordem natural das coisas, o ser humano tem a capacidade de guardar as boas recordações e de enviar as más para um arquivo mental, num cantinho qualquer bem escondido, uma espécie de "closet" daquilo que já não usamos, mas nos recusamos a deitar fora, nem tão pouco a dar a alguém, porque são nossas. Não se dá nem se empresta.
Tal como os afectos: dão-se e já não se tiram... são para toda a vida.
Se eu quero esquecer um grande amor? Não, não quero. Vivo muito bem com a consciência de que ele existiu, de que me fez feliz, até ao dia em que deixou de fazer. E é apenas isso que eu quero lembrar, é isso que realmente lembro, e é isso que me dá a certeza de que está resolvido. Quem diz o contrário, ainda tem um longo caminho a percorrer...

2 comentários:

Pi ^-^ disse...

Diz então qual é o processo de se esquecer esse amor.
é que quando ama-mos e a pessoa nos ama de volta e a relação magoa, mesmo com um amor carinhoso, há algo que está errado.

E quando nos separamos? um mês é o máximo que demora para nos juntar-mos. somos melhores amigos, conhecemo-nos 3 dias antes de começarmos a namorar e durou 3 anos com altos e baixissimos

mas nao conseguimos ficar longe por muito tempo. é um vicio.

Pips disse...

Pi ^-^: Eu acho que o primeiro passo para esquecer esse amor é QUERER esquecê-lo.
Ter consciência de que as coisas não correm como queriamos, de que a relação magoa, de que faz mais mal do que bem, de que não é isso que queres para o futuro, não chega.
Tem de chegar o dia em que percebes realmente, em que decides mesmo que queres esquecer. Que queres seguir com a tua vida, a partir desse momento, sem que dela essa pessoa faça parte. Não é um afastamento temporário quando no fundo tu já sabes que vão acabar por voltar passado x tempo, onde tu já esperas e queres que isso aconteça. Não. É acreditares e lutares para te afastares de vez. Porque sim, porque é o melhor para ti, porque não sendo isso que o teu coração quer, é isso que tu sabes ser o mais certo a fazer.
Enquanto não quiseres que isso aconteça vai ser sempre assim, um ciclo vicioso, alimentado por uma dependência que como tu própria descreveste, talvez já não seja amor mas sim "um vício".