terça-feira, 10 de agosto de 2010

Eles ainda andam aí..


Dizia-me uma Amiga em estado crítico de paixonite aguda, que já quase tinha desistido de acreditar na ideia de que ainda existem/restam Homens decentes, quando conheceu o seu actual mais que tudo.
É quase sempre assim. Quando menos esperamos, quando já ouvimos vezes sem conta histórias de namorados da amiga da amiga que não valiam nada, quando já passamos pela nossa própria dose de desgosto e desilusão, quando vivemos aquele período de nojo em que desesperamos a achar que nunca mais vamos encontrar um Homem que valha a pena, quando achamos que o nosso coração dificilmente irá voltar a bater mais forte, quando acordamos e adormecemos a achar que eles são todos iguais, quando começamos a gostar outra vez de nós mesmas mais do que qualquer outra coisa/pessoa neste mundo, quando andamos sossegadas na nossa vidinha praticamente resignadas ao (feliz!) estado de solteirice... lá aparecem eles!
E não vêm de cavalo branco nem de armadura reluzente (que isso faz-me lembrar o Prince Charming, do Shreck!). Às vezes aparecem mesmo como Shrecks, praticamente uns Ogres, mas feitos de camadas, que nós, Fionas desta vida, adoramos descascar até descobrir os encantos mil que nos levam ao tal estado crítico de paixonite aguda de que falava no início.
Cada vez mais me convenço de que ainda há bons rapazes, bons futuros namorados, Homens em que vale a pena apostar, dar uma abébia, uma oportunidade, mesmo que à primeira vista não tenham suscitado grande interesse!
Basta darmos uma oportunidade a nós mesmas, em primeiro lugar. Soltar a "Ogra" que há em cada uma de nós, sem medos nem vergonhas, sermos nós próprias! No fundo eles andam tão escondidos porque também estão fartos de Belas Adormecidas, Brancas de Neve e Cinderelas... vulgo Porkitxolas fáceis, de plástico, artificiais, desequilibradas e que lhes fazem a vida negra!
Procurem...e deixem-se encontrar!

3 comentários:

Kikas disse...

acho que o amor, o verdadeiro amor, só chega realmente quando não andamos que nem umas galinhas emproadas à procura. quando menos esperamos, chega alguém que nos quer descobrir como nós a ele :) só que, pronto.. passado aquele encanto, voltamos ao "eles são todos iguais". mas se realmente é amor, vamos recordar nos piores momentos o que nos fez apaixonar por aquele homem com quem partilhamos tudo e reconhecer que ainda lá está. que estamos apenas numa fase pior e que vai passar.
oh, eu acredito no amor!

Pips disse...

Oh, eu também Kikinhas!! :)

Rita disse...

Ha sim...e nem todos estao ocupados, como dizem. É saber ver e procurar.