quarta-feira, 11 de agosto de 2010

O que é nacional é bom!


Pois que acabo de ouvir a amorosa da Roberta Medina, aquando da sua passagem pelo talk show do Unas, proferir a seguinte pérola:
"Só tenho uma reclamação a fazer sobre os Homens portugueses. Porque é que quando eles estão a fim de uma garota a gente tem que passar por 35 jantares até chegar ao que interessa??"
E grande gargalhada do público, aplausos, euforia em geral, e que directa que a Medina é, sem falsos pudores a admitir que não tem tempo a perder com jantares quando já se sabe em que é que aquilo vai acabar.
Pois que a outra convidada era Maria Rueff, que numa tentativa de defender a moral e os bons costumes portugueses, dá a volta à questão dizendo que há um ditado nosso que diz que "Os Homens conquistam-se pela barriga", e que talvez fosse por isso que o ritual dos jantares seja mais prolongado. (1-0 para a Rueff.)
Ao que a fofuxa da Medina, não contente com a primeira pérola, partilha um segundo pensamento profundo, mostrando a sua incompreensão pelo seguinte: "Mas se são eles que pagam!! Que diferença faz?? Porque não avançam logo?? Vocês "compilicam" demais, gente!"
E pronto. Com esta a Rueff encostou-se na cadeira, e percebeu que não havia muito mais a dizer a não ser oferecer-se para ir aos jantares, porque adora comer, no lugar da Roberta. E quando chegasse à parte da "sobremesa" encaminhava os senhores para a xuxu beleza que não tem tempo a perder com o prato principal. (2-0 para a Rueff).
Ora isto vai de encontro ao que eu escrevi no post anterior. Não querendo entrar em questões socio culturais, e longe de mim dizer que a Medina é uma brasuca fácil e descartavel que gosta de jantar (só uma vez!), à pala alheia. Mas basicamente afirmando que como a Roberta há muitas mais, brasucas ou tugas, que passam bem sem a parte dos aperitivos, das entradas, de um bom vinho, de um prato de peixe, outro de carne, e um docinho, um café e um digestivo em ambiente agradável e por quantas vezes apetecer às partes interessadas. E isto prova o quê? Prova que ainda há Homens com boas intenções, ou pelo menos esforçam-se, ou em última estância dão-se ao trabalho de fingir bem e fazem aquilo que é suposto fazer dentro do ritual de mostrar interesse e ficar a conhecer melhor a outra parte. Convidam (e pagam!) 35 jantares se for preciso. Mas se no primeiro tiverem logo aquilo que até estavam dispostos a esperar para ter só ao fim dos 35, muito provavelmente os 34 que restavam não vão acontecer. E provavelmente à Roberta, que eu acho bem gira e cheia de carisma, pretendentes é coisa que não lhe falta, e não tem mesmo tempo, nem paciência, nem vontade de ter esses 34 jantares. Mas há quem tenha tempo, paciência e muita vontade de passar por cada um deles. E acredito que sejam mais as Mulheres que o queiram do que aquelas que o dispensam.
Por isso minha querida Roberta, não venha reclamar dos Homens portugueses, cavalheiros e atenciosos, porque nós gostamos deles tal e qual assim. E odiamos o jeitinho meloso dos brasucas que não conseguem falar sem mexer, forretas, e que tomam as mulheres como um dado adquirido, mesmo que sejam feios que nem o Ronaldinho Gaúcho! E também não passe a imagem de que as portuguesas são umas falsas púdicas e as brasileiras é que são sinceras, directas e despaxadas. Não há que generalizar, mas se não gosta do que temos por cá tem bom remédio e deixe o produto nacional para quem gosta! Pode ser? Sou sua fã!

4 comentários:

Rita disse...

Lol. Nem mais...é por estas a por outras que eu, nao vou à bailca com muitas brasucas e tenho dito. *

Kikas disse...

adorei este post :)
se não é uma coisa passageira, se não é só o que a brasuca quer, então que venham os 35 jantares primeiro :D agora se é mesmo só isso.. não adianta os jantares que houver, já que pelo menos de um lado é só a parte física que interessa.

Miss B-Beautiful disse...

Por estas e por outras é que as mulheres brasileiras têm a fama que têm!!!!!

Vai-se a ver, não é só fama!

Anónimo disse...

A mulher portuguesa é muito complicada, e se o homem não fizer aquele joguinho todo com jantares, etc, acaba sendo descartado. É por isso que os homens portugueses não avançam logo e hesitam tanto. É o resultado de muitos anos a serem descartados pelas portuguesas.