sexta-feira, 9 de maio de 2008

Cover me

Hoje apercebi-me de que Ela me deu 3 Mantinhas.
Uma no meu primeiro ano de faculdade, quando saí pela primeira vez de casa para morar sozinha. Azul, amarela e verde, aos quadrados, com um bolso onde vinha embrulhada nela própria. Disse-me, de lágrimas nos olhos, que era para ter menos saudades de casa.
Entretanto comprou mais duas que me ofereceu intercaladas, sem data nem motivo especial.
Eu ficava toda contente de cada vez que recebia um desses mimos. Porque ela não era muito de fazer compras (não sei a quem herdei o gene!!), e por isso era raro surpreender-me com algo novo! Mas agora vejo que tinha um prazer em particular em comprar-me mantinhas.
Nunca tinha pensado nisso até agora mesmo. Deitada no sofá, enrolada na 2ª, branca e cinzenta, muito fofa e macia, a que chamo de "Mantinha Especial", que dobro e guardo religiosamente todas as noites na bolsa onde vinha, para não se sujar nem ganhar borboto (como a 1ª), percebi que a minha Mãe gostava de me dar Mantinhas.
E que gesto mais maternal do que este para demonstrar o amor de Mãe para Filha?? Qual é das primeiras peças que uma Mãe compra quando sabe que está grávida?? Um cobertor, uma manta, a mais suave, macia, confortável, aconchegante e linda da loja, suponho!! Imagino as Mães a imaginarem-se a elas próprias, com os mini-cobertores ao colo, embalando os mini-tesouros que vêm a caminho.
Não tenho memórias dos meus primeiros cobertores, mas fiz questão de guardar os primeiros cobertores dos meus irmãos. E agora guardo estas 3 mantinhas especiais. A 3ª, de um azulão escuro e um tecido quente e perfeito para o Inverno, ainda nem saiu da embalagem. Continua enrolada na perfeição, guardada no armário.
De cada vez que me deito e me cubro com elas sinto como que um abraço materno à minha volta. Fico tão feliz por saber que foi Ela que me deu. Que comprou especialmente para mim, a pensar em mim, e a prever noites como a de hoje, em que me deito, em posição fetal, fecho os olhos e só queria sentir o seu embalo. Cubro-me com um manto de amor único, amor calmo, amor sem fim. Um manto que me dá paz, protecção, como se, ali de baixo nada me pudesse fazer mal nem atingir. Respiro fundo e as lágrimas caiem, aos pares, sem pedir permissão, sem ter vergonha. Porque ali de baixo não há vergonha nem regras de boa educação, nem público, nem explicações a dar, nem silêncios embaraçosos. Há só eu, a mantinha, e ela..dentro de mim.
Porque todos os super-heróis usam um fato ou uma capa. Eu uso a minha manta, ao fim de cada dia, para sentir uma força que é só minha, que me distingue do comum dos mortais e ajuda a encarar cada dia com o super-poder que só um super-herói pode ter.

5 comentários:

Inês disse...

E a tua mãe ficaria contente por ver a super-heroína em que te tornaste :)

Teresia disse...

Eu não posso ler estas coisas que acabo a chorar...

EDUARDO disse...

uma beijoquinha terna do

PARADOXOS

Edu

Anónimo disse...

Que lindo Pips :)
Tal como a teresia, também fiquei comovida com a leitura deste post...
Pena não ter uma mantinha especial para me tapar também e poder chorar...
Tenho 3 mantinhas, mas nenhuma tão especial como as tuas...foram compradas por mim.
Amor de Mãe é lindo :)
Beijoca,
eu

Mikitas disse...

De facto, as coisas mais simples são sempre as mais especiais. As mães sabem disso!