domingo, 25 de maio de 2008

Temperança


Significa equilibrar, colocar sob limites, moderar a atracção que os prazeres e impulsos têm sobre nós, assegurar o domínio da vontade enquanto ser racional e controlado sobre os instintos de que somos alvo, e proporcionar o equilíbrio no uso dos bens e da razão.
Muito se tem passado mas pouco tenho transmitido.
Por falta de tempo, por falta de meios, e também por falta de vontade. Preferi ficar calada. Uma opção que tem sido recorrente no ultimo meio ano da minha vida. Sempre fui extremamente extrovertida, faladora, comunicativa, desbocada diria mesmo, e muitas foram as vezes em que me arrependi de ter falado demais. E há uma frase que o meu Avô dizia sempre (nomeadamente à minha Avó que enfim...tem uma certa tendência para articular uma média de 1500 palavras por minuto), e que muitas vezes me vem à cabeça: "O Silêncio é d'ouro!".
Sinto que essa minha virtude cardinal, da Temperança, me tem sido posta à prova nos últimos tempos. E acho que, sendo um teste contínuo, que surge todos os dias sob formas distintas e até camufladas, não me tenho saído mal.
Há quem diga que a melhor defesa é o ataque. Não concordo. Acho que a melhor defesa é sermos sempre fieis a nós próprios, e agirmos sempre de consciência tranquila. A melhor defesa é sentir que não há necessidade de nos defendermos, pois os ataques passam ao lado, por mais certeiros e ofensivos que aparentem ser.
Também há quem diga (disseram-me hoje, duas pessoas que me conhecem muito bem e que gostam muito de mim, cuja opinião prezo acima de tudo), que sou boazinha demais. E este boazinha não surge sob a forma de elogio. Acham que sou permissiva e tolerante demais. Acham que sou de tal forma condescendente, que quem me conhece se aproveita disso para fins menos bons. Também acho.
Mas tentei explicar, e eles também o sabem, que sou de extremos, que sou 8 ou 80, que só têm de mim aquilo que eu quero dar, até ao dia em que tiro tudo por completo, sem remorsos nem vacilos. Quando digo que a Temperança me tem posto à prova, é porque sinto na pele que me tenho tentado equilibrar com um pé em cada prato de uma balança, onde facilmente me inclinaria para um só lado. É tão facil tomar posições de cabeça quente. Tão fácil deixar levar por impulsos, por reacções que advém de erros de outros, por sermos influenciados pela conversa de A, B ou C. É tão facil criticar, julgar, condenar, fazer juízos de valor e tecer teorias e sermões moralistas sobre os outros.
Difícil mesmo é dormir de consciência tranquila.
E felizmente, eu tenho dormido muito bem.

3 comentários:

Osga disse...

Estou-me a rever ou que?!

Parece impossível mas palavra a palavra está a acontecer tal e qual isto.Estes textos esotéricos deixam-me pensativo :|

Neferet disse...

Eu concordo com as duas pessoas que disseram que és boazinha demais. É que o problema não é seres boazinha,gosto de pessoas bondosas,o problema está em seres boazinha para pessoas que se dizem tuas amigas mas não o são. Sabes que tudo o que tenho a dizer digo-te mas os meus conselhos e opiniões sobre este assunto prefiro da-los pessoalmente(se te interessarem). Eu sei que tu és assim mas para as pessoas que gostam de ti custa ver-te arreliada com pessoas que não valem a pena.
Beijinhos

Mikitas disse...

Temperança, aquilo que muitas vezes me falta...