domingo, 13 de abril de 2008

WC para Dignas

Não sou menina de passar muito tempo no WC. Verdade que não. Mesmo nas rotinas sagradas pré-saída nocturna de ramboia, que levam sempre o seu tempo e cuidados extremos especialmente no momento da "Maquilhage", que, no último instante podem ser decisivos e fazer com que se volte à estaca zero (desmaquilhante, creme hidratante, base, pó, sombra, rímel, risco e gloss! uff!...uma canseira!). Mas ainda assim, passo pouco tempo dentro do WC.
Não gosto de WC's públicos, seja onde e quais forem, e aguento o máximo que posso até me deslocar a um deles. Vá, se estiver mesmo aflitinha vou...mas também já várias vezes preferi fazer na rua (xixi, claro!) nas queimas das fitas ou latadas, em Coimbra, do que ir a um daqueles cubículos nojentos, mal cheirosos, e que das duas uma: ou se faz de porta fechada mas não entra um raio de luz e por isso arriscamo-nos à incerteza do que já lá se encontra...ou fazemos de porta aberta, para alegria e aplauso da multidão em geral que por ali passa!
Depois há a questão dos WC's dos restaurantes, bares ou cafés, já quase todos equipados com sensores accionados pelos nossos movimentos e que, acabaram com os interruptores e consumo excessivo de energia, mas que nos fazem passar umas tristes figuras!
Acompanhem-me: uma menina vai ao wc. Entra, está escuro. Instintivamente levanta as mãos para que se acenda a luz. Faz-se luz e reparamos automaticamente no tampo da sanita e se há papel. No caso positivo, passamos um papelinho no tampo, que não gostamos de tampos pingados, e há ainda quem se dê ao trabalho de forrar o tampo com o papel higiénico pois tem dificuldade em fazer seu xixi sem se sentar. Ora, aquando do momento de desapertar os botões, já a luz foi com o camandro e damos por nós mais uma vez com uma mão no ar e outra nas calças. Tudo se ilumina. Preparamo-nos para o xixi e eis que, por inibição, por estar gente à espera, porque o chão está molhado e há restos de papel higiénico ensopados que se prendem aos nossos sapatos dos quais temos de nos livrar imediatamente, porque olhamos em frente e a porta tem pura poesia ou arte sob a forma de desenhos e declarações de amor do tipo "Alberto, quero um filho teu", e nós imediatamente pensamos: "Que gaja estupida! Isto é a casa de banho das mulheres! O Alberto nunca vai saber disto!"... Bem, certo é que o xixi nem sempre sai assim tipo torneira tambem de sensor, leva o seu tempo, e quando se dá por ela....pimba! Escuro que nem breu!!! E lá ficamos nós outra vez, já em posição de agachamento, uma mão nas calças para não tocarem no chão que está imundo, outra mão já com um pedaço de papel higiénico para o pós-xixi, e escolher qual das duas vamos pôr no ar para que se faça luz!!!
Já para não falar de quando vamos no shopping e a vontade aperta, e lá vamos nós, carregadas com nossos sacos de compras básicas e sempre necessárias, cheios de coisas de que estamos "mesmo a precisar!", e é outra odisseia, entrar nos cubículos, que às vezes nem cabide têm, e só nós sabemos o que passamos para fazer um xixi descansado com tanto saco, mais a poxete, mais o casaco..tudo sem que se dê uma desgraça!!!
Por tudo isto e mais umas coisas que agora não me lembro mas que sei que me mexem c'os nervos, sou a favor de que os WC passem a ser equipados com uma quantidade de apetrechos próprios para dignas que somos nós, e nos arreliamos com estas coisas!
Nomeadamente: muita iluminação, e sensores mais sensíveis aos movimentos para não termos de fazer praticamente uma aula de body pump até a luz se acender; um espelho GIGANTE mas nunca, jamais, em tempo algum, daqueles que engordam! Ainda na secção dos espelhos, um de aumentar para vermos tudo ao pormenor e regulável! (Calma meninos, eu sei que isto vos vai fazer confiusão: não queremos espelho que engorde e depois queremos um de aumentar...eu explico: o de aumentar é para ver os pormenores que nos escapam no gigante, mas não nos fazem enogrdar nem aumentar, ok?); Cabides vários para pendurarmos tudo quanto é coisa que nos ocupe as mãos; Papel higiénico (sempre!), com cheiro e folha dupla; Boas toalhas de algodão egípcio; Um bom sabonete de mãos e um creme hidratante; e velas perfumadas mas nada de cheiros intensos de loja de chinês nem monhé (não se aguenta!).
Será pedir assim tanto?? Aceitam-se mais sugestões dignas!

6 comentários:

Ana disse...

Eu assino por baixo!
Essa dos sensores dá-me nos nervos com uma pinta do caraças. Não havemos nós de evitar comparecer nesses antros imundos (salvo raríssimas excepções)e fazer ao relento!! lool

Nice one!

Beijinhos

Kitty Fane disse...

Eu acho que não é pedir demasiado, já há WCs públicas parecidas. Nós, mulheres de bom gosto, meresemos isso e muito mais. :-D

Wolf disse...

lol engraçada forma de escrever..
muito giro

Fifs disse...

Ai esta conversa dos sensores traz-me recordações... Foi quase asim que surgiu o nosso bloguinho!

Mikitas disse...

Bem, mal li a primeira frase vim logo comentar. Com que então a menina não é menina de WC... hummm.... pois... Então e daquela vez que o Cácá (é o novo diminutivo para Luis Carlos, inventado no sábado passado) passou não sei quanto tempo à vossa espera e andou à vossa procura. Onde estavam vocês todas a conversar, ahhh??? Ah pois é...

Pips disse...

Mikitas pah! Também não deixas escapar uma!! Tenho de dar a mão à palmatória e corrigir a primeira frase: "Não sou menina de passar muito tempo no WC...SÓBRIA!". Sim, porque com umas caipirinhas a correrem-me no sangue, o mais certo é juntar-se sempre um grupinho de meninas que vai pro WC ter conversa de "gajas"!!É terrível, mas muito divertido!